Após décadas, ADE do Gama ganha infraestrutura Governo investe R$ 3,4 mi em drenagem e pavimentação; anuncia mais R$ 2 mi em obras; e lança.

Após décadas, ADE do Gama ganha infraestrutura
Governo investe R$ 3,4 mi em drenagem e pavimentação; anuncia mais R$ 2 mi em obras; e lança linhas de crédito com juros baixos para empresas.
Foram 20 anos de espera para que os moradores do Gama pudessem, enfim, comemorar as obras de infraestrutura da Área de Desenvolvimento Econômico (ADE) da cidade. Na região, popularmente conhecida como AMA do Gama, estão instalados empresários, comerciantes e empreendedores que até pouco tempo não tinham a estrutura adequada para tocar seus negócios. Este cenário mudou, novos tempos chegaram, o local foi assistido pelo Governo do Distrito Federal (GDF) e, nesta terça-feira (27), foram inauguradas obras de drenagem e pavimentação asfáltica no local. 


O sistema de drenagem e pavimentação asfáltica da ADE entregue nesta terça-feira contou com investimento de R$ 3,4 milhões oriundo de recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Valor que se torna simbólico diante da importância da obra para o crescimento de todos os empreendedores da região.
Dona de uma empresa no ramo da confecção, Iracilda Maria de Siqueira comemora o trabalho executado pelo GDF. “Há mais de 20 anos, nós, empresários, esperamos essas obras. Aguardamos pela regularização dos lotes e a chegada da infraestrutura para construir nossos negócios, gerar emprego, enfim, crescer as empresas. Agora, aqueles que resistiram e sobreviveram aqui por duas décadas vão poder realizar seus sonhos com estas obras e ações do governo”, comemora a empresária.
R$ 3,4 milhõesfoi o total investido no sistema de drenagem e pavimentação asfáltica da ADE

Além da drenagem e pavimentação, a ADE vai receber outras obras, como a instalação de iluminação pública e ampliação de rede de esgoto. Ao todo, serão investidos R$ 2 milhões nestes novos investimentos. Um novo cenário.

“Sabemos que era necessário resolver problemas do passado e que existiam aqui. Estávamos com a ADE parada há 20 anos. As pessoas contavam a história daqui como se ela não fosse ser resolvida. Essa obra é a prova de que os esforços unidos geram resultados. Corrigir 20 anos de desmando demora, mas estamos colocando as coisas no lugar. Daqui para frente as entregas serão cada vez maiores”, projeta o governador Ibaneis Rocha.

Para o secretário de Desenvolvimento Econômico (SDE), José Eduardo Pereira Filho, o GDF está dignificando um local para que outros empreendedores possam investir ali. “A ADE estava degradada. Com esta requalificação, com o arruamento e a drenagem estamos dignificando aqueles que empreendem aqui e que suam a camisa diariamente”, afirma.

Convênio

Além das obras de infraestrutura, foi assinado convênio entre o Banco de Brasília (BRB) e o governo para criar linhas de crédito aos empresários da região. “O convênio visa promover estudos e pesquisas para o desenvolvimento econômico da região com o objetivo de formatar linhas de crédito com juros mais baixos para os empresários”, assegurou Paulo Henrique.

“No ano em que Brasília completou 60 anos, todo o planeta foi acometido por uma grave pandemia [Coronavírus]. Mas, hoje, na ADE do Gama, apresentamos uma outra face, a da resiliência. Com muito trabalho e esforço estamos vencendo a pandemia”, acrescentou Mauro da Mata, secretário de Empreendedorismo. Deputado distrital e representante da cidade, Daniel Donizet destacou que agora será possível “investir cada vez mais no setor produtivo”.

Procidades

Todas as benfeitorias nas cinco ADEs do DF fazem parte do Programa de Desenvolvimento Econômico do Distrito Federal (Procidades), que tem como base quatro componentes: a parte de desenvolvimento institucional, com instrumentos e insumos para a secretaria gerir o Procidades, com funcionários, capacitação, computadores; o Plano Distrital de Atração de Investimentos (Pdai), que significa estudar o cenário e propor caminho para o desenvolvimento econômico no Distrito Federal baseado em vocações; o desenvolvimento das empresas que estão localizadas nas ADEs; e, por fim, sua cadeia produtiva.


Com informações da Agência Brasília