Secretária Vanessa Mendonça recebe empresários do setor de eventos e cria canal de diálogo junto ao GDF e Ministério do Turismo.


 





Movimento “Luz aos Invisíveis” foi recebido pela secretária, que apresentou medidas já adotadas pelo governo e articulou reuniões junto ao BRB, Câmara Legislativa do Distrito Federal e Ministério do Turismo

A secretária de Turismo do Distrito Federal, Vanessa Mendonça, se encontrou com o movimento “Luz aos Invisíveis”, que reúne empresários do setor de eventos, para estabelecer um canal de diálogo entre o Governo do Distrito Federal (GDF) e o grupo, um dos mais atingidos pela paralisação dos trabalhos durante a pandemia de covid-19. Por meio da interlocução da Setur-DF, o coletivo teve suas demandas ouvidas junto ao Banco de Brasília (BRB), à Câmara Legislativa do Distrito Federal e ao Ministério do Turismo.

A rodada de negociações começou na segunda-feira (24/08), quando a secretária intermediou uma reunião entre representantes do setor e o presidente do BRB, Paulo Henrique Costa. Na reunião, estavam presentes o diretor-executivo da instituição, Dario Oswaldo Garcia Júnior, além dos empresários Simone Coutinho, Virginia D’arc, Marconi Barros e Jorge Luiz.

Na reunião, Vanessa Mendonça ressaltou a importância do segmento para a economia brasileira e lembrou as iniciativas que o GDF já tem tomado no sentido de dar suporte para o setor. “Temos uma indústria sem chaminés, que gera recursos de quase R$ 940 bilhões ao ano e emprega mais que 25 milhões de brasileiros”, afirmou a secretária. “Neste momento, já temos um Protocolo de Segurança de Eventos que foi amplamente trabalhado e aprovado junto às entidades do setor, que tiveram voz ativa, em uma prova do nosso comprometimento com estes profissionais”, lembrou Vanessa.

A empresária Simone Coutinho, uma das representantes do coletivo, destacou a importância do canal de diálogo estabelecido pela Setur-DF junto ao poder público. “Esta é a primeira vez em que um governo nos recebe para ouvir as reivindicações da indústria de eventos. Neste sentido, o Coletivo Setor de Eventos enxerga na secretária de Turismo do Distrito Federal, Vanessa Mendonça, um importante elo que viabilizou o entendimento entre o setor, o governo local e o governo federal”, afirmou.

Na reunião com a cúpula do BRB, ficou acertado que as empresas do setor terão as demandas atendidas junto ao Programa Emergencial de Crédito Empresarial do Distrito Federal (Procred) e ao Supera DF, programas estabelecidos pelo GDF para mitigar os efeitos da pandemia na economia. O BRB também se comprometeu a auxiliar o setor nos encaminhamentos feitos junto a dois fundos importantes para a sobrevivência do setor, o Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) e o Fundo Geral do Turismo, (Fungetur), ligado ao Ministério do Turismo.

Também ficou acertada a formação de uma comissão especial formada por representantes do setor de eventos e do BRB. “A iniciativa é importante para entendermos juntos a indústria criativa de eventos do DF e, com isso, desenvolver ações do banco direcionadas para o setor, inclusive os editais de patrocínio”, afirmou o presidente Paulo Henrique Costa.

Nesta terça-feira (25/08), a secretária Vanessa Mendonça intermediou outras duas visitas importantes para o setor. No início da tarde, o coletivo foi recebido pelo presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal, Rafael Prudente (MDB), que estava acompanhado do deputado Reginaldo Sardinha (Avante), presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa. Na reunião, o grupo apresentou demandas a respeito da prorrogação da carência tributária e do auxílio emergencial do GDF, que beneficiou diversos profissionais do segmento de eventos que não foram amparados pelo governo federal, além de uma atenção especial para o setor em negociações do Programa de Incentivo à Regularização Fiscal do Distrito Federal (Refis-DF 2020).

Segundo o empresário Jorge Luiz, as demandas são cruciais para que as empresas possam retomar suas atividades. “O segmento de eventos é muito sensível a dívidas, de modo que as empresas precisam estar sempre com situação regular, sob risco de perder um edital, perder credibilidade junto a artistas e profissionais”, explica.

O presidente Rafael Prudente se disse atento às pautas apresentadas e se comprometeu a estabelecer um canal de negociação com o GDF. “É uma situação muito difícil destes profissionais, que foram os primeiros a parar e ainda não retornaram aos trabalhos. Faremos o que for possível para minimizar os efeitos deste cenário”, afirmou.

O parlamentar pediu aos empresários que façam um levantamento do passivo de impostos acumulados desde o fim da carência dada pelo GDF, de três meses, para iniciar as negociações com a Secretaria de Economia do DF. “Precisamos saber o volume para tentarmos chegar num meio termo que seja possível para todos”, explicou.

A secretária Vanessa Mendonça também se comprometeu a estabelecer um grupo de trabalho junto à Câmara Legislativa e a Secretaria de Cultura e Economia Criativa para a criação de um programa de capacitação profissional para trabalhadores do segmento. “Precisamos deste esforço institucional, pois é um problema que envolve uma gama muito ampla de setores, qualquer gargalo na produção de um evento acaba impactando no setor turístico e vice-versa”, apontou.

Ministério
Na sequência, a secretária Vanessa Mendonça levou o grupo para uma reunião com o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, que ouviu as demandas do setor e se dispôs a ampliar o diálogo já estabelecido com outras instituições. Entre as demandas ouvidas estavam o repasse dos recursos da Lei Aldir Blanc, a expansão dos protocolos de segurança para patamares nacionais e os recursos do Fungetur.

Marcelo Álvaro Antônio explicou que o papel do governo federal em ordenar os recursos da Lei Aldir Blanc está feito e que a discussão agora é com Estados e municípios. Além disso, ele apontou a adoção de protocolos de biossegurança em parceria com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e elogiou a iniciativa da Secretaria de Turismo do Distrito Federal na organização do Protocolo de Segurança de Eventos. “Neste momento, precisamos aprender a conviver com a pandemia, oferecendo uma retomada responsável e consciente do turismo”, disse o ministro.

O protocolo do DF foi elogiado pelo grupo de empresários, que ressaltou que a iniciativa teve ampla discussão com o segmento. “O protocolo é bastante objetivo, seguro e surpreendeu pela facilidade de diálogo com o governo, por meio da secretária Vanessa Mendonça”, elogiou o empresário Marconi Barros.

O ministro Marcelo Álvaro Antônio destacou o protocolo e afirmou que a pasta caminha lado a lado com o setor para o reestabelecimento dos trabalhos. “Precisamos apresentar estas iniciativas dentro de um movimento nacional de convencimento em favor da retomada, que precisa ser algo organizado e com fundamentos”, afirmou.

 

 

Setur-DF promove turismo cívico pedagógico na capital federal em defesa do patrimônio cultural.



As Jornadas de Patrimônio são um conjunto de ações que têm como meta a construção e o fortalecimento da educação patrimonial e do patrimônio cultural.
Na última terça-feira (25) a secretária de Turismo do Distrito Federal, Vanessa Mendonça, participa da 7ª edição das Jornadas do Patrimônio Cultural. Um conjunto de atividades que têm como meta a construção e o fortalecimento da educação patrimonial e do patrimônio cultural. As Jornadas do Patrimônio foram instituídas no calendário escolar e de eventos oficiais do Distrito Federal pela Lei Distrital nº 5.080, de 11 de março de 2013, a mesma que instituiu o Dia do Patrimônio Cultural como 17 de agosto, em homenagem à data de nascimento de Rodrigo Melo Franco de Andrade, o primeiro presidente do Iphan. 

“Brasília tem na sua essência a vocação para o turismo cívico”, é o que defende a secretária do Turismo do Distrito Federal, Vanessa Mendonça. “Desde que assumi a Secretaria de Turismo do Distrito Federal (Setur-DF), tenho agido para resgatar o sentimento de pertencimento da Pátria. Ações como a solenidade de Troca da Bandeira impulsionam e valorizam a capital federal e a história do país. Neste mesmo sentido, a promoção do turismo cívico-pedagógico, que teve início junto às escolas da rede pública de ensino do DF, alcança toda a rede de ensino brasileira e desperta o sentimento pátrio em milhares de crianças e adolescentes.Eu acredito que todo brasileiro deve conhecer a sua capital! É nela que reside a nossa história e a nossa identidade”. 

Vanessa Mendonça lembra que em há 30 anos, Brasília se tornava patrimônio Cultural da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) em função do conjunto arquitetônico. “Brasília é a primeira cidade do mundo a ser reconhecida como conjunto urbano e arquitetônico. A cidade que é um museu a céu aberto tem forte tendência para o turismo de contemplação porque nossa cidade reúne o maior acervo de edificações assinadas por Oscar Niemeyer, que em 1988 ganhou o Prêmio Pritzker, a maior honraria da área de arquitetura”, ressaltou a secretária.

Consolidada como um evento técnico, científico e cultural as Jornadas sempre têm como objetivo trabalhar três grandes eixos: o patrimônio cultural (arqueológico, imaterial, material e natural) do DF; Brasília como patrimônio brasileiro e mundial; e a Educação Patrimonial no Distrito Federal. A rodada de debates já acontecem ininterruptamente há sete anos e, nesta edição de 2020, dado o contexto de enfrentamento da pandemia da Covid-19, elas foram planejadas em formato totalmente digital, que faz uso de tecnologias de transmissão on-line e de redes sociais. Pretende-se, dessa maneira, garantir e consolidar o evento, além de ampliar o alcance das discussões, pretende-se preservar a sua memória por meio da publicação de artigos científicos e materiais audiovisuais. Outra mudança significativa que houve em relação aos anos anteriores é a duração das Jornadas em 2020. Ao contrário do evento dos anos anteriores, que era realizado presencialmente em dois dias do mês de agosto, este ano estenderemos essa experiência até novembro, por meio de encontros virtuais a aproximadamente cada 15 dias. Isso ampliou as possibilidades de debates e de painéis de discussões.

Nesta edição, também foram agregados novos parceiros, de forma que compõem a edição de 2020 as Secretarias de Estado de Educação (SEE), de Cultura e Economia Criativa (SECEC) e de Turismo (SETUR), a Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), o Instituto BRB, a Superintendência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no DF (IPHAN-DF), o Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) e a Universidade de Brasília (UnB). A participação de numerosas instituições, pertencentes a diferentes esferas de governo e campos de atuação, deixa evidente que o Poder Público e a sociedade civil são capazes de ampliar e qualificar, coletivamente, o debate sobre a educação e o patrimônio cultural, mesmo em tempos tão desafiadores.

 

 

Brasília recebe lançamento de manual de boas práticas do setor de Relações Institucionais e Governamentais





Material produzido pela Associação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais (ABRIG) em parceria com a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) tem apoio da Secretaria de Turismo do Distrito Federal (Setur-DF) e visa estabelecer uma política de ética e transparência nas relações entre profissionais, empresas e o setor público.


Brasília recebeu, na última terça-feira (25), o lançamento da Prática Recomendada, um manual de boas práticas para profissionais de Relações Institucionais e Governamentais (RIG). A cerimônia foi transmitida de forma virtual no canal da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) no YouTube.

O manual é uma realização da Associação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais (ABRIG) em parceria com a ABNT e conta com o apoio da Secretaria de Turismo do Distrito Federal (Setur-DF). O objetivo da iniciativa é estabelecer uma política de ética e transparência nas relações entre profissionais, empresas e o setor público. 

De acordo com a presidente da Abrig, Carolina Venuto, a associação deu mais um passo rumo à regulamentação das Relações Institucionais e Governamentais e na direção de uma atividade cada vez mais transparente, acessível e democrática. "A ABRIG e a ABNT lançaram nesta terça-feira, dia 25/8, um guia de Práticas Recomendadas para a atividade de RIG. O lançamento ocorreu em um evento semipresencial, com um Webinar realizado na sede da ABNT, e uma solenidade na Casa de Chá, localizada na Praça dos Três Poderes".

O documento, que tem como base a experiência de organizações brasileiras e internacionais, além de ser destinado aos profissionais e organizações que atuam na área de RIG, também servirá de referência para governos e sociedade, com orientações e regras pelas quais os profissionais devem se pautar, a fim de  que seja estabelecida uma cultura de integridade nas relações entre o poder público e a iniciativa privada.  

O lançamento também marcou os 13 anos da ABRIG. Fundada em 2007, a associação é uma entidade civil sem fins lucrativos que tem por prioridade promover o diálogo ético e transparente para temas estratégicos de interesse da sociedade civil e setor privado, visando a formulação e decisão de políticas públicas e seus marcos regulatórios em prol do desenvolvimento sustentável do país.

Para a secretária de Turismo, Vanessa Mendonça, que apoiou a iniciativa desde as primeiras tratativas e foi anfitriã do evento, os reflexos do amadurecimento de ferramentas de ética e transparência para o turismo são enormes. “O turismo é beneficiado quando as instituições funcionam, quando o turista encontra o ambiente sem vícios para acolhê-lo, quando o empreendedor tem o apoio do poder público para investir e quando o turismo se torna sustentável, sem desequilíbrio em sua cadeia econômica”, acredita. “Acima de tudo, projetamos ao mundo o que somos. Dessa forma, queremos mostrar ao mundo um país mais justo, onde as diferenças se completam e que seja admirado não só por suas belezas naturais, mas por sua cultura e sua gente”, aponta a titular do Turismo do DF.

A presidente da ABRIG, Carolina Venuto, vê a elaboração do manual como uma enorme conquista para todos os profissionais da área. “Nós percebemos uma demanda crescente por práticas éticas e transparentes na área de RIG, e entendemos que isso faz parte do amadurecimento da atividade, e da nossa busca constante por respeito à nossa atuação, pautada pelo debate técnico e pela busca de entendimentos na defesa de interesses legítimos de diversos setores da sociedade, influenciando decisões governamentais”, explica.

O deputado federal Roberto de Lucena (Podemos-SP), secretário de Transparência da Câmara dos Deputados, prestigiou o evento e afirmou que a iniciativa da ABRIG é um avanço nas relações entre setor público e privado. “Este manual é fundamental para estabelecer parâmetros nesta relação, que é tão importantes para instrumentalizar o setor público sobre as necessidades da sociedade civil organizada”, afirmou. Segundo ele, a profissão está na reta final de regulamentação. “Queremos fechar esta situação este ano, no mais tardar ano que vem”, garantiu.

 
ABRASEL promove debates sobre o futuro dos restaurantes 


 

 

A Secretaria de Turismo do DF e empresários buscam soluções para o setor 

A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes – ABRASEL- convidou a secretária de Turismo do Distrito Federal, Vanessa Mendonça, para participar do movimento nacional “Retomada, o futuro da alimentação fora do lar”. O lançamento dessa ação aconteceu durante o Congresso Nacional da Abrasel realizado nesta quarta-feira (26).

Durante três dias, o evento vai reunir virtualmente os principais líderes empresariais do setor de alimentação e da gastronomia para discutir desafios e apresentar propostas para ganho de produtividade em bares, restaurantes e todos os envolvidos na área de alimentação.

Vanessa Mendonça acredita que a gastronomia é uma forte aliada do turismo, principalmente neste momento de retomada da economia. “É impossível pensar numa viagem e não imaginarmos conhecer os pratos típicos de determinada cultura ou região. Não consigo pensar numa viagem em que eu não tenha feito planos de conhecer um restaurante, bar ou mesmo uma adega. A gastronomia, associada ao turismo, nos proporciona experiências incríveis. Ambas as áreas amargaram grandes perdas durante o período de isolamento social imposto para conter os avanços do coronavírus. Mas é chegado o momento em que é preciso pensar na retomada dos dois setores”, destacou a secretária. 

A programação de palestras e painéis terá três eixos de conteúdo: Eixo 1 – Factual, com temas como marco regulatório, tributário, trabalhista, financiamento e crédito; Eixo 2 – Brasil Novo, com pautas transformadoras sobre meios de pagamentos, vendas e pagamentos digitais, privacidade de dados e fake news, economia circular; urbanismo; contexto Brasil e mundo; e Eixo 3 – Gestão e Consumidor. Esse terceiro item vai cuidar de temas de empreendedorismo, novos modelos de empresariais; digitalização de negócios e processos; delivery e take away; gestão de pessoas, comportamento e relacionamento com o consumidor.

Grandes líderes empresariais estarão a um clique de distância dos participantes do evento. Entre os nomes já confirmados, estão: Jean Jereissati, CEO da Ambev; Gilberto Tomazoni, presidente da JBS; Henrique Braun, presidente da Coca-Cola; Olivier Anquier, chef do L’Entrecôte d’Olivier, apresentador e empreendedor; Paulo Camargo, presidente do MC Donald's Brasil; Diego Barreto, CFO e VP de Estratégia do iFood; Tom Leite, CEO do Grupo Trigo (Spoleto, LeBonton, Koni e Gurumê); Alexandre Barreto, presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica – CADE; Isaac Azac, sócio-fundador da rede de restaurantes Paris 6; Janaína Rueda, Chef de Cozinha e proprietária do Bar da Dona Onça em SP; Andressa Cabral, chef e proprietária do Meza Bar (RJ); Roberto Guido, CEO da Z-tech Brasil; Carlos Eduardo Brandt e Breno Lobo, respectivamente chefe adjunto e chefe de subunidade do Departamento de Competição e de Estrutura do Mercado Financeiro do Banco Central do Brasil; Simone Galante, fundadora e CEO da Galunion. 

A feira virtual vai trazer novos surpreendentes desenhos de negócio.  Junto à programação técnica apresenta painéis e palestras, onde os participantes poderão desfrutar da feira virtual, com a presença dos principais parceiros da entidade. Paralelo a isso, será realizado o Mesa ao Vivo Brasília já em seu nono ano de sucesso. 


Também em novo formato, a feira que acontece durante o Congresso Nacional Abrasel será totalmente online. A experiência, tanto para o usuário quanto para o visitante, possibilitará novos modelos de interação comercial, conforme explica o diretor de Relações Governamentais e Projetos Especiais da Abrasel, Jaime Recena. “O expositor vai poder contar com aparatos tecnológicos, como lives, vídeos, materiais para download e chat de atendimento para poder expor seu produto e atender os visitantes da melhor forma. Ao mesmo tempo que o visitante terá acesso ao Fórum, ele também terá à Feira”, completa Jaime.

Segundo o presidente-executivo da Abrasel, Paulo Solmucci, o formato digital do Congresso da Abrasel traz mudanças marcantes. “Sabíamos que o momento de transformar o evento físico em digital chegaria, mas não de forma tão abrupta. Tivemos que pensar e estruturar uma forma segura de produzir o Congresso. Vamos nos empenhar pela melhor maneira na retomada do setor.
Vivemos a Era da Comunicação, por isso é fantástico poder de graça nesse congresso, palestrantes de qualquer parte do mundo”. 

 

Assessoria de Comunicação 
Secretaria de Turismo do Distrito Federal - Setur-DF
Centro de Convenções Ulysses Guimarães - Ala Sul, 
1º Andar, Eixo Monumental, Brasília/DF
ascom@setur.df.gov.br
http://www.turismo.df.gov.br