A Polícia Civil do DF, por meio da 21ª DP, concluiu que acidente ocorrido em abril, em Águas Claras, que vitimou o condutor de um veículo, ocorreu durante disputa de “racha”. A vítima, que ficou lesionada de forma grave, foi internada e permaneceu em coma por 17 dias.

No dia 04/04, o condutor de um veículo Land Rover/Evoque teria colidido contra um veículo FORD/KA na Avenida das Araucárias, entre as ruas 24 e 25 Norte. Após oitiva de testemunhas, verificação de filmagens em pontos de Águas Claras e análise pericial das velocidades empregadas nos veículos, foi possível confirmar que os motoristas dos automóveis Land Rover/Evoque, Porsche/Panamera e Ford/Fusion estavam participando de disputa automobilística.

Segundo o laudo pericial, os veículos transitavam em velocidade média acima de 142km/h, em uma via em que a velocidade máxima permitida era 50km/h. O automóvel Land Rover, antes da colisão, ainda alcançou a velocidade de 180,66km/h. Restou claro que a velocidade demasiadamente excessiva, empregada pelo motorista, foi a causa do acidente.

A investigação concluiu que a conduta dos envolvidos gerou risco à incolumidade pública ou privada. Em razão da velocidade, o automóvel colidiu com o Ford/KA, causando lesões graves na vítima que ficou 60 dias internada.

O motorista do Ford/Fusion teria desistido de continuar no “racha” antes do momento do acidente, não dando causa ao mesmo. O condutor do Porsche teria comparecido ao local da colisão, negou seu envolvimento aos policiais militares e, com o intuito de se esquivar de sua responsabilidade criminal, fugiu do local.

Os envolvidos foram indiciados em crimes penalizados no Código de Trânsito Brasileiro (art. 308, §1º; art. 308, caput e art. 305, todos do Código de Trânsito Brasileiro).

Assessoria de Comunicação/DGPC
#PCDFagora
#PCDFemAção
PCDF, excelência na investigação.