Unidade recebeu instalação de lavatórios, troca dos pisos interno e externo e quadra poliesportiva. Das 30 escolas da cidade, 25 tiveram grandes obras

Mensagens positivas, organização, limpeza e muita cor marcam área central do CEF 405 | Foto: Acácio Pinheiro / Agência Brasília

O Centro de Ensino Fundamental 405, localizado no Recanto das Emas, não passava por reforma desde 2010. Mas, com a suspensão das aulas em razão da pandemia de Covid-19, foi possível fazer reparos diversos, dos estruturais ao acabamento na escola, e concluir o trabalho nesta quinta-feira (30).

E eis a grande novidade no portão de acesso: lavatórios, com acessibilidade, para que os alunos possam higienizar as mãos logo na entrada. Também estão novinhos em folha o piso externo, que foi trocado e adaptado para ser acessível, e o interno, que também passou por revitalização, pois estava muito desgastado e com pequenos desníveis.

Os mais de 1,4 mil alunos e 80 professores que se revezam nos turnos matutinos, vespertino e noturno terão um espaço completamente novo para a prática de esportes – traves e tabelas velhas foram trocadas. Além disso, a quadra recebeu pintura com tinta específica para que tenha maior durabilidade.

O diretor da CEF 405, Clóvis Fonseca Coelho, contou ter planos para reaproveitar a quadra. “Agora podemos transformar em um auditório. Basta instalar toldos e teremos várias utilidades”, vislumbrou.

O valor investido na obra é de, aproximadamente, R$ 200 mil, recurso proveniente do contrato de manutenção da Secretaria de Educação, de emenda parlamentar e do Programa de Descentralização Administrativa e Financeira (Pdaf) regional. Foram mobilizados 24 trabalhadores, de forma direta, durante três meses.

http://agenciabrasilia.df.gov.br/wp-conteudo/uploads/2020/07/WhatsApp-Image-2020-07-30-at-17.36.29.jpegEm tempos de coronavírus, pontos de higienização viram item obrigatório nas escolas | Foto: Acácio Pinheiro / Agência Brasília

A região administrativa do Recanto das Emas tem 30 escolas e apenas cinco ainda não passaram por grandes intervenções. Mesmo assim, elas receberam serviços menores, como pintura e instalação de equipamentos.

Segundo o coordenador regional do Recanto das Emas, Leandro Freire Lima, todas as escolas da região administrativa estão preparadas para o retorno das aulas. “Colocamos dispensers de álcool gel na entrada de todas”, garantiu, referindo-se aos dispositivos de distribuição do produto.

Recomeço

A realidade que cerca o CEF 405 é de vulnerabilidade. O diretor da escola relata que muitos alunos vivem em ambientes insalubres e, neste sentido, proporcionar uma escola equipada e estruturada é determinante na qualidade de vida desses estudantes. “Acaba influenciando o aprendizado”, opina Clóvis Fonseca, há dez anos à frente da unidade, acrescentando que a reforma foi muito aguardada pela comunidade escolar.

http://agenciabrasilia.df.gov.br/wp-conteudo/uploads/2020/07/WhatsApp-Image-2020-07-30-at-17.36.28-1.jpegBanheiros estilizados dão novos ares à unidade de ensino | Foto: Acácio Pinheiro / Agência Brasília

Com a suspensão das aulas, a direção, juntamente com a regional de ensino, conseguiu aproveitar o tempo para dar inícios aos trabalhos, que duraram três meses. Agora, a escola está pronta para receber os alunos. “Nosso papel será de acolher nossos estudantes e, também, de ressignificar a atribuição de ser professor”, arrematou Clóvis.

Mais: Governo ativa reforma de 80 escolas durante a pandemia

Mãe de aluno do CEF 405, Irinalda Costa Caldas, 46 anos, ficou surpreendida com a apresentação da escola. “Reparei na diferença, está ainda melhor”, comentou. Ela foi à unidade, nesta quinta-feira (30), para retirar o material impresso que seu filho irá estudar. “Gostei muito das pias na entrada, do piso novo. Estão de parabéns!”, elogiou.

Oportunidade

Programa Pequenos Reparos faz o credenciamento de autônomos nas atividades de bombeiro hidráulico, pintor, pedreiro, serralheiro, eletricista, jardineiro, técnico em eletrônicos, técnico em informática e chaveiro para realizar pequenas intervenções nas escolas públicas do DF. Os profissionais são registrados como microempreendedor individual (MEI) a partir do recebimento do CNPJ, tornando-se aptos a ser chamados para obras de manutenção nas unidades educacionais.

Os profissionais interessados devem se credenciar no Simplifica PJ (QI 19, lotes 28, 30 e 32, Taguatinga) e, simultaneamente, em uma das unidades da Sala do Empreendedor das administrações regionais e da Agência do Trabalhador, que são 17 espalhadas pelo DF.

O programa já tem 617 profissionais cadastrados. Os valores pagos pela hora de serviço podem variar de R$ 93,44 a R$ 206,44, a depender da atividade. Após receber o CNPJ, o Miro Empreendedor Individual entra em uma lista e poderá ser chamado para realizar o trabalho conforme a necessidade das escolas.

Com informações da Agência Brasília.