A Polícia Civil do DF, por meio da 4ª DP (Guará), alerta a população sobre o Golpe do Indriver, nova modalidade criminosa que faz principalmente vítimas idosas. Em dois dias foram registrados no Guará quatro golpes com essa nova modalidade. Todos envolviam vítimas com idade entre 62 e 86 anos.

Conforme apurado, os autores telefonam para as vítimas e inventam histórias dizendo que algum parente está precisando de um auxílio financeiro. Entre as histórias inventadas estão as de que um neto está precisando de dinheiro para arrumar ou para adquirir um veículo; que um neto foi detido em uma barreira policial ou foi preso e precisa de dinheiro para ser liberado.

Aproveitando-se da pandemia e do fato de que os idosos normalmente não estão saindo de casa, o autor diz para a vítima que, ao invés de ela ir até o banco, mandará um motorista de aplicativo e é para a vítima passar o cartão bancário na máquina do motorista que vai realizar a transferência.

Quando a vítima acredita nessa história, o autor contrata uma corrida de um motorista de aplicativo, normalmente do aplicativo Indriver e indica o endereço residencial que ele deve comparecer. Ao chegar na residência, o motorista se depara com a vítima do lado de fora, com o cartão bancário na mão.

Nesse momento, o autor contata o motorista de aplicativo e diz que, na verdade ele não irá realizar uma ocorrida, mas sim um favor para ele. Repete a história dita para a vítima e pede para o motorista de aplicativo passar o cartão da vítima em sua máquina e, posteriormente, fazer a transferência bancária para o criminoso. Por tal serviço, o autor promete ao motorista uma comissão de R$ 100 a R$ 300.

Os autores dão preferência ao aplicativo Indriver, pois o aplicativo disponibiliza aos usuários os dados do motorista e do veículo utilizado e, quando os motoristas não concordam com o serviço ou desconfiam do golpe acabam sendo ameaçados.

“Dessa forma, orientamos aos moradores do DF que tenham parentes idosos que deem a eles conhecimento sobre essa nova modalidade de estelionato; como também orientamos aos idosos e aos moradores em geral do Distrito Federal que, quando receberem telefonemas de parentes solicitando auxílios financeiros de qualquer espécie, que tentem retornar a ligação para eles e confirmem tal necessidade e, no caso de não conseguirem, que peça a ajuda de algum familiar mais próximo ou que compareça a uma delegacia de polícia para ser melhor orientado”, destaca o delegado-chefe da 4ª DP, João de Ataliba Neto.

Assessoria de Comunicação— Ascom/PCDF
#PCDFemAção
PCDF, excelência na investigação