AGÊNCIA BRASÍLIA EDIÇÃO: RENATO FERRAZ

Testes feitos pela CEB e outros órgãos nesta quarta (22) mostram que as sirenes puderam ser ouvidas num raio de até 10 quilômetros.

 A CEB e a Secretaria de Segurança Pública realizaram, nesta quarta-feira, um teste para verificar a efetividade do novo sistema de alertas na Barragem do Paranoá. Cinco equipes – incluindo a Subsecretaria do Sistema de Defesa Civil – comprovaram a audioabilidade das sirenes no raio de até dez quilômetros.

A distância foi definida em acordo com o Plano de Ação de Emergência, elaborado de acordo com a Política Nacional de Segurança das Barragens. A região engloba o Núcleo Rural Boqueirão, Paranoá e Altiplano Leste.

“A prevenção é sempre a melhor solução”, destacou o secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Anderson Torres. “Quando não consegue evitar o acidente, ela minimiza os prejuízos”, ressaltou. 

Torres lembrou que, em tragédias como aquelas as de Mariana e de Brumadinho (MG), a maior preocupação é sempre com a vida das pessoas. “Desta forma, o GDF determinou aos diversos órgãos ações que garantisse a fiscalização das barragens”.

O objetivo da demonstração era verificar se o sistema, que foi substituído há pouco, tem efetividade em casos de emergência. Em fevereiro de 2019, a Defesa Civil realizou um teste para verificar se o toque de emergência da Barragem do Paranoá era audível. 

“Após o teste, a CEB, concessionária responsável pela barragem, verificou a necessidade de readequação e contratou uma empresa especializada para redimensionar as sirenes” explicou o subsecretário da Defesa Civil, coronel Alan Araújo.

Mesmo com o trabalho realizado na última semana pela CEB, em que passaram com carro de som avisando a população que o evento de hoje tratava-se apenas de um teste, minutos antes a população foi novamente avisada.  

O presidente da Companhia,  Edison Garcia, conta que, quando a nova gestão assumiu a administração das empresas do Grupo CEB, o Plano de Segurança da Barragem Paranoá demandou bastante atenção e cuidado. 

“O governador Ibaneis Rocha recomendou a revisão de todo o sistema de segurança, e assim o fizemos. Esse investimento da CEB Geração é mais um dos que aprimoram a segurança da operação da barragem e da população que mora a jusante do Lago Paranoá”, afirmou.

 “Mesmo com a situação da pandemia do Covid-19 que estamos enfrentando, a CEB Geração não mediu esforços para entregar à população um novo sistema mais eficaz e seguro”, disse o diretor-geral da CEB Geração, Eduardo Roriz.

“Uma população orientada, consciente e participativa quanto às mensagens e procedimentos em situações de simulados ou riscos potencializam a efetividade do sistema. Por isso é importante que a população fique atenta sempre que um alerta for emitido”, ressalta Roriz.

Drones
Servidores da Defesa Civil utilizaram drones durante a operação. Nesta semana, cinco deles finalizaram a capacitação para operacionalizar os equipamentos. Com as instruções, o uso dos equipamentos – que era utilizado para detectar focos do mosquito da dengue – foi expandido.

“A capacitação nos permitir utilizá-los ainda mais e em outros trabalhos, como testes de sirene e ações na Barragem do Paranoá, por exemplo”, explicou o subsecretário Alan Araújo.

Com informações da SSP/DF