Ações de empresa de biotecnologia disparam 450% com teste de vacina oral
Coronavírus; covid 19; coronavirus

Coronavírus: especialistas afirmam que os ensaios clínicos para garantir uma vacina segura e eficaz contra o vírus podem se estender por um período mínimo de 12 a 18 meses (SERGII IAREMENKO/SCIENCE PHOTO LIBRARY/Getty Images for National Geographic Magazine)

O nome, um tanto obscuro, é Vaxart. Trata-se de uma pequena empresa americana do ramo de biotecnologia cujas ações dispararam impressionantes 304% nos últimos dois dias  e quase 450% nesta semana.

O motivo? Ela anunciou nesta sexta-feira que testaria sua vacina experimental oral experimental contra o coronavírus em macacos infectados com a doença, dentro de um estudo financiado pelo programa de aceleração de vacinas do governo Trump chamado “Operation Warp Speed”. (“Operação Velocidade Warp”).

Só hoje, as ações do desenvolvedor de vacinas dos EUA subiram mais 66%, para US$ 10,38, por volta do meio-dia, à medida que os investidores aumentam suas apostas nas empresas farmacêuticas que desenvolvem vacinas ou tratamentos para interromper a pandemia.

Seu valor de mercado aumentou de US$ 200 milhões para US$ 850 milhões, segundo dados da consultoria de investimentos YCharts.

Mais de cem vacinas estão sendo testadas em todo o mundo contra o vírus, com apenas um punhado na fase de testes em humanos, como nos casos da AstraZeneca e Moderna Inc.

Especialistas afirmam que os ensaios clínicos para garantir uma vacina segura e eficaz contra o vírus podem se estender por um período mínimo de 12 a 18 meses.

A Vaxart disse que sua vacina, um comprimido oral, é mais fácil de armazenar e administrar do que as injetáveis. Também está testando outras vacinas orais e já recebeu financiamento dos EUA em 2015 para desenvolver uma vacina contra a gripe.

Veja também

A empresa assinou em março um acordo com a Emergent BioSolutions para ajudar na fabricação da vacina.

A Vaxart confirmou que o estudo seria feito no âmbijto da “Operação Warp Speed”, um programa conjunto do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA (HHS, na sigla em inglês) e do Departamento de Defesa que visa acelerar o desenvolvimento de vacinas, tratamentos e diagnósticos contra o coronavírus.

O HHS se recusou a comentar.

O governo Trump havia anunciado anteriormente que destinaria US$ 2 bilhões em estudos sobre vacinas da Moderna, da AstraZeneca e da Johnson & Johnson